Sertão Para Ser Do Ceará

O não me deixes

É quase possível sentir o calor do fogão à lenha, o cheiro dos bolos, dos assados, guisados, das bebidas e dos intermináveis doces. Como não sentir vontade, ou diria até mesmo fome, para se esbanjar em um baião de dois, paçoca, sarrabulho, tapioca, mal-assada e no bolo de milho? Senti até saudade do que nunca provei.

ARTESANATO – Do utilitário ao decorativo

O Artesão, em um anônimo gesto de criação, dá vida às formas, aos objetos e aos seus sonhos.

Do sertão se faz arte: O joalheiro que faz da natureza sua matéria prima

Ao chegar à oficina do joalheiro Francisco Antônio Rabelo, pude sentir logo de cara a energia boa daquele lugar. O artista lapidava mais uma pedra, que depois viria a ser mais uma linda jóia produzida por ele.

O artista da vida e o “lixo extraordinário”

Na necessidade de criar seus próprios brinquedos surge um artista: Raimundo Nonato Ribeiro do Nascimento, o “Raimundinho”. Ele contou em entrevista ao SerTão Para Ser do Ceará o quanto sua infância foi difícil, que não tinha condições de possuir brinquedos caros, mas nem por isso deixou de brincar e ser feliz. Tratou de fazer os seus próprios brinquedos, utilizando-se do que para muitos não tinha finalidade, o lixo.